Santa Casa se prepara para atendimento do SUS em Lagoa Santa com ajuda do Governo Estadual

O diretor técnico médico acredita que “prestar serviços médicos de qualidade é a melhor maneira para evitar que a população se desloque para hospitais de Belo Horizonte que já se encontram superlotados, sem condições de prestar um bom atendimento e fazendo com que pacientes precisem retornar as suas casas, sem ter o diagnóstico revelado. A ideia é fazer com que inicialmente o nosso atendimento passe de baixa complexidade para média complexidade, de modo que consigamos atender com precisão os pacientes que necessitem das áreas médicas que temos disponíveis e realizar todos os exames necessários na Santa Casa para dar mais conforto aos pacientes”

Nesta sexta-feira dia 30/05/2014 o cidadão Lagoasantense terá motivos para comemorar na área da saude, O JD – Jornal Diferente informa em primeira mão e com exclusividade que o Governo Estadual assinou convênio com a Santa Casa de Lagoa Santa para atendimento exclusivo pelo SUS, ampliando o atendimento à população que necessita desse tipo de atendimento.

O JD – Jornal Diferente, mais uma vez sai na frente e divulga em primeira mão o que vai surpreender a população, uma nova Santa Casa, com mais leitos de UTI, salas para hemodiálise e muito mais. Desde o ano passado a cidade acabou perdendo um local para atendimento quando o diálogo entre a Santa Casa e a Secretaria Municipal de Saude acabou, pondo fim a uma parceria, que poderia sim, melhorar, mas que produziu um desfecho triste principalmente para os usuários do SUS.  A pergunta que se faz é: A Santa Casa deveria ficar fechada, tendo inúmeros equipamentos de ponta em suas instalações? O que deveria acontecer era o ajuste político para as questões administrativas e que fortalecesse as parcerias possíveis, mas isso não aconteceu e acabou havendo uma ruptura total entre a Santa Casa e a Secretaria Municipal de Saude que investiu e assumiu sozinha a administração do novo PAM – Pronto Atendimento Municipal. Com este impasse, nem os filhos de Lagoa Santa conseguem mais, nascer aqui.
Em 13 de fevereiro de 2013, na edição nº 29 o JD – Jornal Diferente estampava a seguinte manchete:

 “Santa Casa de Lagoa Santa investe em infraestrutura e novos equipamentos para melhor atender a população” e em resumo publicou o seguinte:

Há 12 anos na cidade de Lagoa Santa, buscando garantir qualidade e agilidade no atendimento médico, a Santa Casa de Misericórdia, localizada no bairro Brant investe na melhoria da infraestrutura e na compra de novos aparelhos destinados a realização de exames e diagnósticos médicos para garantir à população lagoasantense e região, atendimento preciso e de qualidade. Marcelo Azalim sanitarista da Santa Casa, afirma que o objetivo das obras e dos investimentos realizados pelo hospital é “fazer com que os pacientes da cidade e de toda região tenham atendimento digno com soluções imediatas para todos os casos que chegarem a nossa unidade”.

    Os Serviços de Urgência e Emergência, ou seja, o Pronto Socorro - são realizados através de um convênio entre a Santa Casa e a Secretaria Municipal de Saúde, gestora do Sistema de Único de Saúde no Município, conforme determina a Lei Orgânica de Saúde. Há cerca de um ano o Pronto Socorro é uma cogestão entre a Secretaria Municipal de Saúde e a Santa Casa. Agora, nesta nova gestão de 2013, a Secretaria de Saúde vem mostrando interesse em assumir totalmente a gestão do Pronto Atendimento Municipal, oferecendo um serviço mais moderno, eficiente e mais abrangente, ou seja, com uma capacidade maior de atendimento. 

    Para que fique compreendido, Hilton Brant Machado, diretor técnico médico da Santa Casa de Lagoa Santa, esclareceu as principais diferenças entre os serviços de urgência e emergência. Ele explica que “a urgência, está relacionada à ocorrência de dores, mas não apresenta risco de morte. A urgência é classificada através do protocolo de Manchester, que define através das cores: vermelha, laranja, amarelo, verde ou azul, a gravidade de cada caso. A emergência ocorre de forma inesperada, que é quando o paciente pode apresentar risco de morte e vai precisar de atendimento imediato”.

Recentemente, a Santa Casa investiu na compra de aparelhos para a realização de cirurgias de catarata, para a cura da opacidade do cristalino. A cirurgia é simples e leva em média 40 minutos para ser realizada. Segundo Hilton Machado, “atualmente, o hospital vem realizando uma média de 60 cirurgias por mês. Junto a este aparelho, adquirimos também a esteira ergométrica, para a realização de exames de eletrocardiograma de esforço, para verificar com antecedência os possíveis casos de insuficiência de irrigação sanguínea para o coração, que pode levar o paciente a um infarto; o Ecobiometro, responsável por verificar o grau da lente que será implantada no paciente (lente intraocular)”. Além desses, o hospital fez a aquisição do aparelho de Ecocardiografia, para realizar exames do coração e ultrassons em 3D – este aparelho foi adquirido na fábrica da Phillips de Lagoa Santa.  O hospital adquiriu também o Arco cirúrgico - para a realização de cirurgias ortopédicas e hemodinâmicas, utilizado para realizar cirurgias em pacientes acidentados com motocicletas;  o aparelho de videolaparoscopia -  para cirurgias de joelhos e abdômen. O aparelho auxilia na realização de cirurgias através do vídeo, evitando cortes profundos, como era feito antigamente para remoção de pedra na vesícula.

    Além da compra dos aparelhos, a Santa Casa de Misericórdia de Lagoa Santa tem realizado obras para ampliar os espaços e criar novas áreas para a realização de consultas médicas.  Segundo Marcelo Azalim, “equipamos 10 consultórios para atender diversas áreas clínicas, como oftalmologia, clínica médica, cirurgia geral, pediatria, angiologia, dermatologia, otorrinolaringologia e urologia. Também faremos atendimentos em áreas não médicas, como psicologia, nutrição, fisioterapia e futuramente teremos também, atendimento na área de fonoaudiologia”.

    Com o objetivo de prestar melhor atendimento aos pacientes que se encontram em observação ou em estado grave, o hospital investiu em 10 novos leitos adultos de CTI – Centro de Tratamento Intensivo – para trazer conforto e tranqüilidade para aqueles que precisam de cuidados especiais, todos os equipamentos necessários para compor a unidade do CTI, foram doados pela Secretaria do Estado da Saúde. Além disso, o hospital criou nova área para atendimentos psiquiátricos, onde os pacientes serão acompanhados 24 horas por dia por uma equipe multidisciplinar formada por psiquiatras, psicólogos e enfermeiros. O ambulatório destinado aos pacientes que utilizam convênios e particulares ainda não está pronto. Marcelo afirmou que “a obra está prevista para ser concluída dentro de 15 dias”.
    Hilton Machado salientou sobre a importância da colaboração da Secretaria Municipal de Saúde. Segundo ele, “É necessário que a Secretaria Municipal encaminhe pacientes que precisem de cirurgias para que tenhamos um volume regular de atendimento no hospital”.

 

Mineira de Lagoa Santa brilha em rede nacional

A jornalista cultural, cantriz e professora de Teatro Musical, a mineira, Suellen Ogando, filha do empresário Rógeres Ogando da Originalle Decorações de Lagoa Santa esteve nos dias 23 a 25 de Abril, em São Paulo, gravando o programa Máquina da Fama.

O programa foi ao ar no dia 19 de Maio, após o programa do Ratinho, no SBT.
 
Suellen Ogando conquistou o prêmio de primeiro lugar tendo até hoje na história do programa uma das notas mais altas: 9,9 em 10. Para a execução do seu número teve a preparação com o vocal coach do SBT Marcello Boffat e da coreógrafa Luciana Maradei, e ainda contou com um grupo de ballet para a performance.

A platéia foi à loucura no fim da apresentação. Suellen ainda cativou a direção e a produção executiva do programa que vota nos melhores da noite.
 
Suellen interpretando como Cover de Catherine Zeta Jones ganhou em segundo lugar: Bee Gees de SP (eleitos os terceiros melhores covers do mundo), em terceiro lugar: Spice Girls de SP (5 meninas que já estão no cenário de Teatro Musical em SP).
Ou seja, a mineira que levou o prêmio de R$ 5.000, concorreu com grandes músicos de várias partes do Brasil.

O Brasil é o terceiro país que mais produz Musicais!


Suellen se diz satisfeita e realizada: ”Trabalho com musicais em BH e desta vez fui a SP no SBT tentar divulgar mais o gênero na TV brasileira e tive a felicidade de ser a única belorizontina/Lagoasantense a ganhar o programa.
Desde que o programa Máquina da Fama (2/2013) estreou, tenho sugerido Teatro Musical, uma pauta especial sobre cinema e consegui! Os produtores gostaram da ideia e no dia 19 de Maio foi ao ar o programa que teve um número do musical, denominado  All The Jazz do filme Chicago ecompleta: Sou uma artista de Minas Gerais que esteve em rede nacional. Não foi fácil chegar lá - O processo de inscrição e de seleção são extremamente árduos.”
 
Até a apresentadora do programa, Patricia Abravanel entrou no clima dos musicais e fez o cover da Elsa do filme: Frozen” Uma Aventura Congelante..

“Chicago” é um musical americano clássico. Ele tem sido o musical americano de maior duração na Broadway, em cartaz desde 1996.  Já o filme em que Catherine Zeta Jones interpreta Velma é de 2002. O número foi apresentado na entrega do Oscar de 2013 por Catherine.
 
NEWS...
Suellen Ogando ao chegar em BH descobriu que foi selecionada para as audições do Musical Sister Act- Mudança de Hábito, que se iniciam dia 19 de Maio. Quem sabe essa pode ser a chance de se ter mais uma mineira nos grandes musicais da Broadway feitos no Brasil, neste caso em SP. Já que o nosso país é o terceiro que mais produz musicais no mundo.
Breve Curriculum:
 
Suellen Ogando é  jornalista, atriz, cantora, pós graduada em História da Arte e Cultura pela UFMG. Estudou Teatro na Newton Paiva, em 2004 a 2007, que resultou em 8 montagens, sob direção de Ronaldo Boschi e Meibe Rodrigues, dentre eles o Musical Brasileiro “Os Saltimbancos” como solista a Galinha . Estudou Teatro Musical na UFMG,  em 2009, resultando no espetáculo “Noite na Broadway II” como solista em 3 números, sob direção de Ana Taglianetti ( pela Dramato/ Escola Operária em BH). Já participou  de cerca de 30 espetáculos e de vários comerciais, vídeos institucionais, além de curta metragem e dublagem. Desde 2005 integra o Musical “A Pequena Sereia” no papel da solista Úrsula, pela Cyntilante Produções.
 

Parque do Sumidouro e Gruta da Lapinha: Patrimônio de quem? (Parte II)

Como foi dito em matéria anterior, o Parque Estadual do Sumidouro foi criado em 1980 e só saiu do papel por volta de 2008. Foram 28 anos de espera para que a região passasse a ser protegida e preservada. Naquela área estão vários monumentos naturais e grande parte da história desta cidade denominada Lagoa Santa. A criação do Parque do Sumidouro só aconteceu quando foi proposta a criação de uma Câmara Técnica que favorecesse a sua implantação definitiva, através do Conselho da APA-Carste (ICMBio).

Após a criação da Câmara Técnica, várias ações foram implementadas para a criação do Parque nos últimos 6 anos, promessas de geração de empregos, de turismo ampliado e benefícios para a cidade de Lagoa Santa e Pedro Leopoldo, onde o Parque do Sumidouro também está localizado. Como já foi dito, Lagoa Santa pela demora do Parque em sair do papel, acabou perdendo boa parte dele e Pedro Leopoldo que só tinha 20%, antes de sua implantação, passou a ter em torno de 50%.

Como a Gruta da Lapinha, a Gruta do Sumidouro, vários sítios arqueológicos, pinturas rupestres e outros monumentos naturais de grande importância estão localizados dentro de seus limites.
Dr. Lund também contribuiu enormemente para a grandeza do local, pois ali encontrou 30 ossadas que denominou “Raça de Lagoa Santa”, homens que viveram por aqui, há mais de 8.000 anos.
Ao mesmo tempo, Dr. Lund também achou junto a esses, fósseis de animais extintos, denominados da Mega-Fauna como: Tigre-dentes-de-sabre, Tatú gigante, Preguiça gigante, Toxodonte e outros tantos mais. O primeiro Tigre-dentes-de-sabre encontrado no mundo foi achado aqui em Lagoa Santa. Para ficar mais claro, pode-se dizer que aqueles animais do desenho animado “A Era do Gelo”, viveram aqui.

Luzia, fóssil encontrado por estas bandas, datado como o habitante mais antigo das Américas também faz parte dessa bela história, pois achado aqui nestas redondezas.
Tantos patrimônios da humanidade estiveram enterrados aqui. O Professor Walter Neves diz que Lagoa Santa tem uma grife estupenda e não a explora. Eugênio Goulart, professor de medicina e um dos fundadores do Projeto Manuelzão diz que aqui guardamos uma biblioteca de pedras.

Certamente poderíamos transformar este lugar em local de atração de turistas de todos os cantos do mundo, mas isso não aconteceu e sabem por quê? Porque o Parque é do Governo do Estado, administrado pelo IEF e, portanto, hermético e aberto somente a poucos visitantes.
Ali ao lado da Gruta da Lapinha já vicejou um restaurante ao lado de doceiras e artesãs locais. Ali naquele lugar casais, famílias e turistas de outros cantos do Brasil e do Mundo, se embasbacaram com tanta beleza e história e passavam o dia por lá.

A pracinha na entrada do Parque já foi outrora, lugar de passeios e contemplação. Hoje tudo é proibido, pois se trata de um Parque Estadual, portanto deve ser protegido. É claro que todos hão de convir que, deve-se sim protegê-lo mesmo, mas é preciso devolver um pouco a alegria dos moradores locais, assim como facilitar a sobrevivência dos moradores do entorno.
A insensatez tomou conta de todos os agentes envolvidos em sua instalação e proteção, ou seja, governo estadual e IEF. Preservam a bela história que ainda jaz naquele solo, mas impedem a manifestação cultural e a sobrevivência daqueles que moram no entorno. A vida deve estar em primeiro lugar, os costumes devem ser preservados e a cidade como um todo deve se beneficiar do seu quinhão de terra.

A população local conclama o Estado para que não vire as costas a ela e ao IEF que seja o intermediário de uma nova fase que permita o desfrute a todos os moradores desta cidade e que dialoguem com o governo municipal, pelo menos através de convênios que contribuam para resgatar e revitalizar a região. É necessário que se cumpra o que foi prometido, envolver cada dia mais a comunidade local com a instalação do Parque e devolver aos moradores da cidade o orgulho de poder dizer – temos um tesouro da humanidade em nossas terras.

Parece que ao se permitir a instalação do Parque Estadual e o seu fechamento total à população local, que houve uma apropriação indébita deste local que pertence à Lagoa Santa há várias gerações.
O governo não pode ser insensível e  se arvorar em dono daquele local e afastar com “medidas” impopulares todos os agentes e personagens que ali nasceram. Ao que parece, acabou cerceando de forma “delicada” o direito de ir e vir do cidadão Lagoasantense.
A população grita para que seja restabelecido o seu direito e que sejam possíveis ações, com as devidas proteções e cuidados e que os governantes e agentes políticos responsáveis não percam mais tempo e proponham manifestações culturais organizadas, vendas de produtos artesanais e doces da região e a liberação da pracinha em frente à Gruta da Lapinha para passeios e diversão de crianças, etc. Assim também como é solicitado a chegada de ônibus até o local.
(Continua)

 

Custe o Que Custar, a verdade deve prevalecer sempre!

O JD – Jornal Diferente vem a público esclarecer a seus leitores e à população Lagoasantense os questionamentos que recebeu sobre nota de esclarecimento em matéria publicada em 08.05.2014 nestas páginas e que tiveram repercussão nacional, pois veiculada no programa humorístico e de entretenimento CQC:

É preciso que fique bem claro que este jornal sempre se pautou pela independência, isenção e apartidarismo e pela divulgação de matérias esclarecedoras que nunca deixaram margem a duvidas, vide estarmos em nossa edição nº 53 e nossa empresa, o Grupo Diferente de Comunicação existir desde 13.03.1990, ou seja, há 24 anos, sem uma mácula sequer.
Aproveitamos para nos desculparmos com nossos leitores e a população em geral que sempre acreditou em nosso trabalho, isenção e lisura, pela divulgação inadvertida dessa nota de esclarecimento junto à matéria publicada na edição nº 52 do JD – Jornal Diferente.
Nessa edição, publicamos matéria sobre a falta de provas nas acusações de recebimento em duplicidade de salário veiculadas no programa humorístico CQC patrocinadas por ex-aliados políticos do atual Prefeito de Lagoa Santa, o que parece não ter agradado àqueles que o acusam.
Em matéria veiculada pela Rede Record, foi dito com total isenção, demonstrando que o bom jornalismo ainda tem representantes dignos. Em resumo, o seguinte:

1 – Por que a Fhemig – Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais depositou o salário de um servidor quando o mesmo havia comunicado por meio de ofício que havia sido eleito e não poderia mais receber como médico daquela instituição?

2 – Por que a Fhemig continuou a depositar o salário do servidor que havia comunicado o seu desligamento da instituição e ainda por cima não havia assinado nenhuma presença, através do ponto eletrônico?

Naquele momento essas deveriam ser as verdadeiras questões a serem publicadas ou questionadas e a FHEMIG deveria ter sido ouvida, e por que não foi?
Portanto, caros leitores, sustentamos integralmente o teor da matéria publicada na pag. 03 do JD – Jornal Diferente edição nº 52, assinalando que forças políticas tentam derrubar um Prefeito eleito pelo povo de forma ilegítima e virulenta através de meias verdades, omitindo os verdadeiros fatos e apresentando somente indícios.

Aqueles que nos combatem e tentam nos prejudicar, dizem que defendemos o Prefeito, mas não transigimos com a verdade, nem com os princípios basilares editoriais de um jornal sério e muito menos abrimos estas páginas Diferentes para injustiças e atrocidades.

O JD – Jornal Diferente e seu proprietário, jornalista Roberty Lauar foram julgados, atacados, vilipendiados covardemente e precipitadamente pelos acusadores do Prefeito e de pequena parcela da população influenciados pela matéria editada e parcial veiculada pelo programa humorístico CQC, mas anunciamos que continuaremos firmes em nosso propósito de bem informar e em nossas convicções e valores morais, ao lado daqueles que nos prestaram solidariedade e acreditaram em nossa postura firme e corajosa. O que fizemos nada mais foi do que divulgar matéria de forma esclarecedora e apartidária. Aqueles que prezam a mentira nos caluniam e atacam, os que são afeitos à verdade continuam nos admirando e nos dão alento.

O que de fato aconteceu? A população precisa saber e resumimos cronologicamente abaixo:

Fato 1 – Houve a divulgação de uma denúncia de recebimento de salário em duplicidade pelo Prefeito de Lagoa Santa no quadro “Proteste já” do humorístico CQC, voltamos a afirmar: sem provas e somente com indícios;

Fato 2 - Durante o dia, horas antes da divulgação pelo programa CQC a matéria foi anunciada na cidade o dia inteiro por carro de som pago pelos patrocinadores da matéria;

Fato 3 – Esqueceram de dizer que essa mesma denúncia já havia sido apresentada oficialmente na Câmara Municipal há 03 meses e não foi adiante;

Fato 4 - Dois dias após a primeira matéria, o até então nosso jornalista Elvis Pereira entrou em contato com a produção do programa CQC que é independente e não é da Band e conversou por telefone com uma de suas produtoras cujo nome é Vanessa e questionou a falta de provas na matéria exibida na TV e ainda segundo ele, foi perguntado, se eles do CQC gostariam de enviar uma nota sobre a falta de provas. Logo em seguida nos apresentou e-mail contendo uma “Nota de Esclarecimento” que foi divulgada no jornal Ed. nº 52.

Fato 5 – Na boa fé e acreditando tratar-se de nota verídica, autorizamos sua publicação junto ao corpo da matéria a qual sustentamos integralmente;

Fato 6 – No dia seguinte durante a distribuição do jornal recebemos telefonema do Sr. Ederson se dizendo um dos produtores do CQC e negando o envio da nota, que segundo ele só poderia ter sido enviada por ele ou por Vanessa. Quando lhe dissemos que havíamos recebido um e-mail de Vanessa Nicolly através do jornalista Elvis Pereira, o Sr. Ederson nos disse que a Vanessa do CQC era Vanessa Albuquerque;

Fato 7 – À noite a Vanessa Albuquerque (do CQC) nos ligou (sábado) e disse que havia recebido sim o telefonema do jornalista Elvis Pereira, que o telefone no e-mail era mesmo o da produção do CQC, mas que não havia enviado nota alguma. Dissemos a ela que iríamos averiguar e se tivéssemos que nos retratar, que nos retrataríamos, “conforme está gravado por ela”;

Fato 8 – Na outra semana divulgaram pelo Facebook que o CQC voltaria a Lagoa Santa para contestar a Nota veiculada pelo JD – Jornal Diferente, o que acabou acontecendo na quinta-feira subseqüente e gerou a celeuma toda. Vieram; não nos procuraram na redação do JD – Jornal Diferente, local onde permanecemos o dia todo, mas “procuraram” o jornalista Elvis Pereira na rua, o que deu margem àquelas cenas que todos viram. O próprio jornalista, questionado se éramos os responsáveis pela nota, disse que não, conforme dito em parte da matéria editada, através do Facebook e conforme está registrado no Boletim de Ocorrência registrado na Delegacia local no dia do fatídico evento.

Fato 9 – Na segunda feira, dia em que a nova matéria foi ao ar, o Sr. Ederson, produtor do programa nos ligou perguntando se o JD – Jornal Diferente gostaria de emitir nota para ser veiculada no programa daquela noite – Disse a ele que sim e a enviaria logo a seguir, mas a nota não foi publicada e diz o seguinte:

Nota do JD – Jornal Diferente enviada ao Sr. Ederson 05 horas antes da veiculação do programa contendo nova matéria sobre Lagoa Santa:

“Caro Ederson,
Conforme seu contato telefônico hoje, dia 19/05/2014 as 16;30h, solicitando nota do JD – Jornal Diferente, quando afirma que o jornalista Elvis Pereira em entrevista ao programa CQC no dia 15/05/2014 aqui em Lagoa Santa, alegou que não foi o responsável pela matéria que culminou em nota considerada apócrifa pela produtora do CQC da qual você afirma ser o responsável, declaro o seguinte para que fique esclarecido de vez por todas, nossa boa fé e pratica de jornalismo com ética e denodo: Ainda não podemos afirmar que fomos compelidos a erro, nem afirmar neste momento que a nota publicada contém ilações, pois estamos apurando internamente os fatos e ainda, se confirmada a não autenticidade da nota, o que sustentamos até o presente momento, iremos tomar as medidas cabíveis para preservar a imagem, imparcialidade e lisura de nosso trabalho ao longo dos anos aqui em Lagoa Santa e também a isenção do JD – Jornal Diferente. Portanto afirmo que estamos verificando e não iremos transigir com a verdade e acreditamos, até segunda ordem no jornalista que assina a matéria.
Conforme conversamos anteriormente, coloco-me ao inteiro dispor e tudo faremos para que a verdade venha à tona.”

Por Roberty Lauar


Fato 10 – Ainda, afirmamos, para finalizar, que quanto à “Nota de Esclarecimento” questionada publicamos nesta edição, mesmo sem termos sido acionados judicialmente ou obrigados a tal e de livre e espontânea vontade uma “Nota de Desagravo” para que cessem especulações e insídias.

Ainda para esclarecer aos leitores e à população Lagoasantense, dizemos o seguinte:
Fomos à Delegacia de Crimes Cibernéticos em Belo Horizonte para gerar Boletim de Ocorrência quanto ao recebimento de nota falsa, via e-mail ao jornalista Elvis Pereira – fomos informados que a nota não está tipificada como crime e nem seu texto é lesivo aos interesses da verdade.

Além disso, estamos dando entrada no Fórum de Lagoa Santa com solicitação de quebra do sigilo do ID, que gerou o envio da questionada “Nota de Esclarecimento”;
Portanto caros leitores e população Lagoasantense segue abaixo a “Nota de Desagravo”, que não nos obrigaram, nem solicitaram a fazer, mas que fazemos, pois prezamos a verdade, a seriedade e principalmente a ética.

NOTA DE DESAGRAVO AO CQC

Quanto à Nota de esclarecimento publicada na edição nº 52 do JD – Jornal Diferente, comunicamos que: Falhamos ao não confirmarmos  nota enviada através do e-mail do jornalista que não trabalha mais conosco Elvis Pereira e que foi parte integrante da mencionada matéria da pag. 03 da edição nº 52 do JD – Jornal Diferente.

 
Oscar Filho, repórter do programa ao lado de Andrea Moura, que “misteriosamente” ficou sabendo da gravação em Belo Horizonte. Ela e Márcia Regina que aparecem na matéria fazendo uma denúncia contra o prefeito são amigas e ex-aliadas políticas do mesmo.
 
Márcia Regina feliz da vida abraçada ao prefeito e o vice Genesco Neto na época das eleições.

NOTA DO JORNAL DIFERENTE

Apesar de tudo, a nota publicada, segundo informações da Delegacia de Crimes Cibernéticos, não contém informações comprometedoras ou caluniosas, pois afirma, ao contrário do que dizem: Que o CQC não cobrou para vir a Lagoa Santa, que não favoreceu nenhum dos lados, que demonstra profunda admiração por Lagoa Santa e que somente está fazendo o seu trabalho.
Portanto este barulho todo só foi ampliado por interesse dos adversários políticos do prefeito.
 

A vida como ela é... Quem pode atirar a primeira pedra?

Caro leitor A Vida como Ela é... É uma série de crônicas escritas por Nelson Rodrigues, um dos maiores escritores brasileiros do século XX, durante os anos 1950 a 1961. A Vida como Ela É... era o nome da coluna diária do escritor no jornal Última Hora. Samuel Wainer, proprietário do jornal, queria que Nelson Rodrigues, já consagrado pela peça “Vestido de Noiva”, retratasse uma história da vida real diariamente. E agora, caríssimo leitor, 60 anos após, este nosso editorial contará uma história real para você também. Na ultima edição do JD – Jornal Diferente, publicamos matéria sobre denúncia sem provas apresentadas, veiculada no programa humorístico e de Entretenimento CQC. A denúncia patrocinada por ex-aliados políticos do prefeito Dr. Fernando, dizia respeito ao recebimento em duplicidade de salário. Nossa matéria discorreu sobre a falta de provas para justificar a denuncia (leia nova matéria nas pags. 4 e 5 desta edição) e a tentativa de ex-aliados políticos de tirar um cidadão eleito pelo povo de seu posto, na marra, sem a comprovação da culpa. Somos da opinião de que: Quem erra, deve sim, pagar pelos erros cometidos, e se for político, deve ser investigado, expulso de suas funções públicas e preso, mas só após a constatação. Este o foco da matéria. Infelizmente, ainda não sabemos por qual motivo fomos compelidos a divulgar junto à matéria legítima, “Nota de Esclarecimento”, considerada aoócrifa e que ainda investigamos. Nota esta, contestada pelos produtores do programa legitimamente, e insistentemente combatida através do Facebook de forma leviana e criminosa por cidadãos diretamente interessados pelo sucesso da matéria. Dizem algumas pessoas, que a matéria foi paga, se foi mesmo, não podemos afirmar, só imaginar que esta turma deve estar com os burros n’água e cheia de Dindin. Fica a duvida, mas existe vídeo do Lobão na internet dizendo coisas a respeito, outras pessoas públicas também atestam isso. Sabe-se que é comum essa pratica na mídia nacional, principalmente pelos pequenos e caçadores de níqueis espalhados por ai, inclusive aqui por estas bandas, basta verificar capas e mais capas de revistas e matérias em seu interior. São matérias pagas para se falar bem de alguém ou de alguma empresa, etc e tal. Até ai tudo bem, a falta de tutano e criatividade dessa gente é de dar dó. Diferentemente o JD – Jornal Diferente nunca cobrou um centavo sequer, quando entrevista personalidades, artistas e empresários locais ou não. Ficamos até, surpresos quando muitos dos entrevistados nos perguntam se iremos cobrar, pois praxe do mercado local, salvo exceções. Nossas capas, tanto do JD – Jornal Diferente, quanto da Revista Foco Diferente são invioláveis e patrimônio preservado, pois carregam nossa marca, estilo e independência. Você caro leitor, deve saber bem que estamos num fogo cruzado. Com fulcro na matéria do CQC, temos sido atacados pelos meliantes de plantão e até mesmo por empresas consideradas co-irmãs e sobre isso falaremos na próxima edição. Fomos obrigados até a utilizar medidas protetivas para evitar prejuízos maiores dos que já estamos sofrendo. Neste momento o que nos move é esclarecer e contar com a sua clarividência e pedir a você que tem apreço por nosso estilo e postura profissional, que não se deixe levar por insinuações maldosas que, podem colocar em risco este trabalho digno e respeitado e feito com carinho e dedicação para você que ama a liberdade de expressão, a verdade e a ética. Fizemos o que qualquer ser humano de bem deve fazer, se erra, corrige seus erros prontamente e segue aprendendo com a lição. E que atire a primeira pedra, aquele que tiver isento de pecado.
Até breve.
 

Condecoração

Por Roberty Lauar
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Major Anselmo, comandante da 3ª Cia de Missões Especiais com sede em Lagoa Santa recebe Troféu Alferes Tiradentes e a Medalha Investigador William Silva Nunes

No dia 22 de abril de 2014 na sede campestre da Associação dos Servidores da Polícia Civil de MG, ocorreu a solenidade de outorga da medalha Investigador Willian Silva Nunes. O Major Walter Anselmo Simões Rocha, comandante da 3ª Cia de Missões Especiais foi um dos condecorados. Foram homenageados os policiais civis das 18 regionais da Polícia Civil em todo o estado de Minas que se destacaram no cumprimento do dever além de autoridades e personalidades. Diversas autoridades se fizeram presentes entre elas o Deputado João Leite, Vereador Edson Moreira, Vereadora Elaine Matozinhos, Dra Sandra Salete alem do Dr. Fernando prefeito de Lagoa Santa. O Major Anselmo foi o único integrante da PMMG a receber a comenda.
No dia 28 de abril de 2014, o Major Anselmo recebeu também o Troféu Alferes Tiradentes, escolhido por unanimidade pelo seu Conselho que visa perpetuar e honrar a memória do Alferes Joaquim José da Silva Xavier, “O Tiradentes”. Este troféu é entregue anualmente e destinado a galardoar militares e civis que, por seus atos como cidadãos tenham se destacado junto à comunidade.
 

Escotismo: resgatando a cidadania dos jovens de Lagoa Santa

Por Roberty Lauar e Elvis Pereira
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

O movimento escoteiro foi idealizado pelo inglês Robert Baden - Powell (1857-1950). Após terminar os estudos secundários, ingressou no exército, onde logo se destacou.  Em 1899 durante a Guerra dos Boers, na África, teve de recrutar adolescentes da cidade de Mafeking e treiná-los para auxiliar em algumas tarefas, pois contava com poucos soldados. Powell ficou impressionado com a coragem, lealdade e responsabilidade dos garotos, fato que funcionou como um primeiro estímulo para a criação do movimento escoteiro. Quando retornou à Inglaterra, Baden – Powell foi tratado como herói.

Em 1907, Powell realizou um acampamento experimental com 20 garotos em Browsea, no Canal da Mancha e lhes ensinou técnicas de primeiros socorros, sobrevivência, localização e segurança na floresta.  Esse acontecimento marcou o início do escotismo, apesar de Powell nunca ter previsto que daquele experimento nasceria movimento tão grande e organizado. No ano seguinte, escreveu o primeiro manual de escotismo, “Scouting for Boys” (Escotismo para rapazes), que incentivou muitas pessoas a formarem grupos de escoteiros, inclusive mulheres.

 Atualmente no mundo, 28 milhões de pessoas praticam o escotismo.  No Brasil, são cerca de 70 mil. Em Lagoa Santa o número é bem menor, 28 jovens. Porém só existe um grupo de escoteiros na cidade, Grupo Escoteiro do Ar Peter W Lund. Lucas Colen, coordenador e fundador do grupo, explica que sua paixão pelo escotismo começou cedo. “Tinha 14 anos quando entrei num grupo de escoteiros pela primeira vez. Foi meu vizinho quem me levou, ele era chefe de escoteiros. Logo de cara me apaixonei! O escotismo é uma verdadeira escola de vida”, diz Lucas afirmando que hoje ensina tudo o que aprendeu, para seu filho, que inclusive participa dos encontros semanais do grupo.
O grupo de escoteiros em Lagoa Santa existe há dois anos e foi fundado por Lucas e sua esposa, que antes não conhecia o escotismo. “Eu já trabalhava em Belo Horizonte com um grupo de escoteiros, e minha esposa nunca foi escoteira, mas logo que conheceu o escotismo adorou e apoiou a ideia de fundarmos um grupo aqui na cidade”, diz.

Ao contrário do que muitos pensam, as meninas também podem participar do grupo escoteiros.  A idade mínima para entrar no grupo de Lagoa Santa é de 6 anos e meio. As turmas do grupo de escoteiro são identificadas por ramo. Até os 11 anos, as crianças recebem o nome de lobinhos ou lobinhas. Dos 11 aos 15 anos, o nome dado às turmas é ramo escoteiro. Dos 15 aos 18 anos é o ramo sênior.  Dos 18 aos 21 anos já é o ramo pioneiro. Acima dos 21 anos são as pessoas que se tornam chefe de escoteiros. “Cada divisão tem um conteúdo pedagógico próprio para a idade, mas desde cedo, as crianças aprendem a assumir responsabilidades, a refletir sobre suas atitudes e a desenvolver o espírito de equipe, dentro de suas possibilidades, é claro, e respeitando a individualidade de cada um”, explica Lucas.

Além disso, aprendem os valores fundamentais como a importância de ajudar o próximo, respeitar a natureza, ter autonomia e autoconfiança. “O escotismo complementa a educação dada às crianças e aos jovens pela escola e pela família, de um modo não formal. Nele, cada um assume seu próprio desenvolvimento, tornando-se um cidadão consciente de seus deveres e direitos. São ensinamentos que esses jovens carregam para a vida toda”, finaliza Lucas.
Para participar do grupo de escoteiros em Lagoa Santa, os jovens precisam se cadastrar na União dos Escoteiros do Brasil (UEB).   
Mais informações sobre o Grupo Escoteiro do Ar Peter W Lund em Lagoa Santa, entre no site:  www.escoteirosdelagoasanta.com.br  ou se preferir, você pode ligar para: (31) 8489-9416. Os encontros do Grupo de escoteiros acontecem todos os sábados de 15:00 as 17:30hs na rua Marília de Dirceu, 25 (Salão de Eventos do Clube dos Cabos) na Vila Asas.

Lei Escoteira:
1- O Escoteiro tem uma só palavra; sua honra vale mais que sua própria vida.
2- O Escoteiro é leal.
3- O Escoteiro está sempre alerta para ajudar o próximo e pratica diariamente uma boa ação.
4- O Escoteiro é amigo de todos e irmão dos demais escoteiros.
5- O Escoteiro é cortês.
6- O Escoteiro é bom para os animais e as plantas.
7- O Escoteiro é obediente e disciplinado.
8- O Escoteiro é alegre e sorri nas dificuldades.
9- O Escoteiro é econômico e respeita o bem alheio.
10-  O Escoteiro é limpo de corpo e alma.
 

Parque Estadual do Sumidouro: Alegria para poucos... Tristeza para muitos.

Por Roberty Lauar e Elvis Pereira
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Criado em 1980 e batizado inicialmente como Parque Ecológico do Vale do Sumidouro, tendo ganho mais tarde o nome atual, o Parque Estadual do Sumidouro está localizado na divisa entre os municípios de Lagoa Santa e Pedro Leopoldo. O local guarda um dos patrimônios históricos mais representativos de Lagoa Santa e do mundo, a Gruta da lapinha. É no parque também que estão localizados o Receptivo Turístico/Museu P. W Lund, a Lagoa do Sumidouro e a Gruta do Sumidouro.

No total são 1.300 hectares abrigando 52 cavernas cadastradas e cerca de 170 sítios arqueológicos históricos e pré-históricos. Composto por cerrado e uma vegetação incrível, todos os moradores do entorno ficaram felizes com sua criação, afinal seriam eles os maiores beneficiados das diversas vagas de empregos que seriam criadas e as inúmeras oportunidades de negócios. Vagas essas que inclusive foram prometidas à população. Mas a história linda que estava sendo idealizada acabou tomando outro rumo. Rumo esse que não contava mais com a população do entorno, ou pelo menos com a maior parte dela, que já não estava mais no projeto. O sonho de resgatar a cultura e fomentar o turismo local se tornou pesadelo para todos que esperavam uma oportunidade de trabalho no parque e assim poder contribuir para elevar o nome de Lagoa Santa para o mundo.

O transtorno começou com a demora na implantação das estruturas do parque. Só para se ter uma ideia, as primeiras estruturas só foram construídas em 2010, ou seja, 30 anos depois do projeto inicial. A demora foi tanta, que a área teve que ser mapeada novamente, pois, a demarcação feita na década de 1980 já não era válida. Foi nesse estágio inclusive que se constatou que o parque ficaria na divisa de Lagoa Santa e Pedro Leopoldo. Se não fosse por esse atraso no primeiro projeto, o parque ficaria quase todo em terras de Lagoa Santa.

Com o redimensionamento, Lagoa Santa acabou perdendo mais ou menos 30% da área para a cidade de Pedro Leopoldo. Além disso, pretendia-se construir também no lado de Pedro Leopoldo o complexo denominado Parque dos Primeiros Americanos, projeto grandioso, que acabou não acontecendo, após algumas disputas locais. A construção do receptivo turístico/museu acabou acontecendo ao lado da Gruta da Lapinha em Lagoa Santa e à época, imaginava-se que Lagoa Santa se beneficiaria com esta construção. Hoje, para tristeza de muitos, constata-se não ser esta a verdade.

O JD – Jornal Diferente a partir desta edição irá ouvir os idealizadores, interessados, população, governantes, instituições e administradores, sobre o porquê da frustração dos moradores do entorno e da cidade de Lagoa Santa, quanto aos escassos benefícios proporcionados pelo Parque Estadual do Sumidouro à nossa cidade.
Para o ex-condutor da gruta da lapinha, Rogério Garcia, 52, que acompanhou deste o início a criação do Parque Estadual do Sumidouro, ele e outros moradores da região foram ludibriados. “Quando o projeto estava no início falaram que os moradores do entorno trabalhariam nele. O governo até pagou na época um curso de capacitação para alguns moradores serem condutores. Mas de uma hora pra outra tudo mudou. A administração do parque não valorizou o curso e ainda ofereceu um salário desanimador para todos nós. Não tinha como ninguém aceitar. Era ridícula a proposta”.

Rogério ainda alerta: “Hoje está uma verdadeira bagunça no parque! A maioria dos condutores não é formada. E o que é pior, na Gruta da Lapinha por exemplo, o correto seria entrar 20 turistas por vez, acompanhados por um ou até dois condutores e hoje entram até 30 turistas acompanhados por um só condutor.” Denuncia o ex-condutor.
A doceira Vanda Lúcia de Freitas Gomes, 59, moradora antiga do bairro Lapinha também tem uma profunda magoa da atual administração. Ela foi uma das primeiras pessoas a ter barraca no parque e de uma hora pra outra simplesmente a tiraram de lá.  “Eu e as outras doceiras chegamos a ficar 6 meses em barracas improvisadas, porque o pessoal do parque disse que estava montando um espaço pra nós, mas quando esse espaço ficou pronto, chegaram para quase todas as doceiras e mandaram a gente sair.  Não tiveram nenhum respeito pela dedicação que sempre tivemos com o parque.” Revela Vanda.

Sebastiana de Lourdes, 54, conhecida como “Fiota”, também mora no bairro Lapinha e acompanhou a criação do parque. “Tem mais de 30 anos que sou doceira. Comecei a trabalhar no parque acompanhando minha sogra. Ela foi uma das primeiras doceiras de lá. Na época a estrada que dá acesso à gruta estava sendo asfaltada”, conta Fiota demonstrando orgulho em ter acompanhado o crescimento do parque. Mas logo quando é perguntada sobre o motivo de ter parado de vender seus doces dentro do parque, o orgulho sai e dá lugar à indignação. “Pra falar a verdade nunca entendi porque tiraram a gente de lá. Lembro-me que cheguei para trabalhar num determinado dia e o gerente do parque havia deixado um recado com um funcionário informando que as doceiras não poderiam mais vender os doces ali.” A doceira que hoje tem alvará para vender seus produtos fora dos arredores da gruta afirma que se sentiu enganada pela administração do parque. “O que fizeram com a gente foi cruel! O gerente do parque fez várias promessas, mas no vamos ver mesmo, não cumpriu nenhuma. E depois numa reunião disse que não havia prometido nada. Que tínhamos entendido errado. Poxa! E o respeito com o nosso trabalho? Onde fica? Eu fiquei tão chateada com essa situação que não quero saber de nada disso mais. Desiludi”, comenta a doceira.

A equipe de reportagem do JD – Jornal Diferente procurou a gerencia do parque para esclarecer as denúncias. Rogério Tavares, gerente técnico do Parque Estadual do Sumidouro aceitou falar com nossa equipe e disse que a reclamação feita pelo ex-condutor Rogério Garcia, não procede. Ele confirmou que o ex-condutor realmente fez o curso financiado pelo governo junto com outras pessoas, porém não havia promessa de emprego. Ainda de acordo com o gerente técnico, o ex-condutor chegou a ser monitor no parque, mas por motivos particulares ele mesmo pediu pra sair. Não foi dispensado.

Sobre a denúncia de que estariam entrando na Gruta da Lapinha 30 turistas acompanhados de um condutor inabilitado, o gerente do parque nega que isso esteja acontecendo. “Isso não é verdade. Hoje no parque entram 20 pessoas no máximo com intervalos de 20 minutos, e todos são acompanhados por 2 colaboradores do parque. Aliás, diferente do que acontecia no passado”, diz o gerente afirmando que todos os funcionários do parque são constantemente capacitados através de palestras, cursos, grupos de estudo e avaliação.
Já as queixas feitas pelas doceiras, de que foram maltratadas na hora de saírem do parque, Rogério não quis comentar, mas explicou que qualquer atividade em área pública precisa atender a uma regulamentação. E afirmou que não tem nada contra nenhum colaborador ou ex-colaborador do parque. “Estamos sempre buscando a integração e valorização não só da dona Vanda e da dona Fiota, mas também das demais doceiras, quitandeiras e artesãos das comunidades do entorno. Até criamos a Associação de Doceiras e Artesãos do entorno do Parque estadual do Sumidouro (ADOARPS)”.

Ainda segundo informações de Rogério, o Parque Estadual do Sumidouro tem hoje 65 funcionários registrados com carteira assinada e mais de 80% desse pessoal é composto por moradores do entorno do parque.

 

JD – Jornal Diferente descobre mais um equívoco na pesquisa do IPEA sobre o estupro.

Por Elvis Pereira
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Desde que a pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), colocando a culpa nas roupas minúsculas que as mulheres usam para o aumento significativo do estupro do Brasil, divulgada em março deste ano, uma serie de discussões sobre o assunto começou a tomar conta de todos os brasileiros.
A revolta de algumas pessoas começou poucas horas depois da divulgação da pesquisa no próprio dia 27, influenciando o movimento digital #NãoMereçoSerEstuprada  que inundou as redes sociais com fotos de pessoas de todas as idades protestando contra a culpabilização da mulher.

Nana Queiroz, organizadora do protesto, foi procurada pela equipe de jornalismo do JD – Jornal Diferente, mas não foi liberada pela emissora em que trabalha, para entrevista, mas disse em off que milhares de pessoas aderiram à sua manifestação que convidava as mulheres a se despirem e tirar fotos com os dizeres “Não mereço ser estuprada”.  A jornalista ainda disse que recebeu inúmeras ameaças de estupro após a criação da página contendo o protesto no Facebook.

O movimento, começado na web, repercutiu internacionalmente, sendo inclusive assunto no site do canal de TV britânico BBC, do jornal americano Washington Post e do portal de notícias, também americano, Huffigton Post.
Com o tremendo barulho dentro e fora do Brasil, o IPEA foi obrigado a rever os dados da pesquisa e no dia 04 de abril após constatarem que houve erro, os pesquisadores explicaram que na verdade houve a troca entre os gráficos da questão com a frase “mulher que é agredida e continua com o parceiro gosta de apanhar”. Com os dados corrigidos o número de pessoas que concordavam com a frase: “Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser estupradas”, ficou em 26% e não em 65% como divulgado antes. Diante do erro, o diretor do Departamento de Estudos e Políticas Sociais do IPEA, Rafael Osório pediu exoneração.

Furo de reportagem do JD – Jornal Diferente:
A equipe de jornalismo do JD – Jornal Diferente teve acesso com exclusividade aos dados completos da pesquisa feita pelo IPEA e descobriu outro equivoco que pode ter contribuído para o número de pessoas que acham que a forma da mulher se vestir é a responsável pelo número excessivo de estupros. Trata-se da idade dos entrevistados.  A maioria, tanto homens quanto mulheres que responderam “sim” a esta pergunta, têm mais de 45 anos, ou seja, são de gerações bem diferentes da atual. Ainda de acordo com o documento que nossa equipe teve acesso, nenhuma pessoa com idade entre 20 e 25 anos foi entrevistada.

Participantes da Pesquisa
Nossa equipe tentou falar com algumas pessoas que participaram da pesquisa, mas só o comerciante Flávio Mendes, 46, de São Paulo aceitou falar. Por telefone Flávio disse que se arrepende de ter participado do estudo, pois na hora da entrevista ninguém falou com ele que as perguntas se referiam a estupro. “Sinceramente, não queria participar, porque de cara achei as perguntas tendenciosas, mas a moça (pesquisadora) insistiu tanto que acabei aceitando. Mas reparem, as perguntas têm várias interpretações, são dúbias e jamais mencionam a palavra estupro. Todos nós que fomos entrevistados pela equipe do IPEA tivemos que responder sobre outras coisas, que mais tarde foram associadas ao estupro para a imprensa”, diz o comerciante, ainda desconfiando que a pesquisa possa ter sido uma manobra política do governo para desviar as atenções das duras criticas que vem recebendo no momento.

O IPEA foi procurado por nossa reportagem para esclarecer as queixas feitas pelo comerciante de São Paulo, mas ninguém do Instituto quis falar sobre o assunto.  
A delegacia de Polícia de Lagoa Santa também foi procurada por nossa equipe para falar sobre os números registrados de estupros na cidade, mas até o fechamento desta edição não conseguiu contato com o delegado titular.

Valesca Popozuda,36, sem dúvida se tornou verdadeiro símbolo sexual para os homens de todo o país. A artista também aderiu à campanha contra o estupro nas redes sociais. “Participei da campanha, mas não posso discordar da opinião de ninguém e tenho que respeitar, mesmo não concordando. Mas eu particularmente não aceito o resultado dessa pesquisa. E sendo mulher, fiquei muito triste em saber que teve mulheres que concordaram com a pesquisa. Acho que todas deveriam se unir. Para mim, o homem que não consegue controlar seus instintos precisa de tratamento!” A cantora do famoso hit “Beijinho no Ombro” ainda manda um recado para as pessoas que concordaram com a pesquisa. “Em minha opinião, todos que culpam as mulheres são extremamente machistas ou ignorantes em relação ao assunto”.

A cantora Daniela Mercury, 49 e sua namorada a jornalista Malu Verçosa, 39, aderiram à campanha pelo Instagram . “Eu me inseri na campanha como uma forma de cutucar o pensar da mulher brasileira. Os mesmos motivos que levam as pessoas a serem homofóbicas são os que incentivam o desrespeito e o machismo. Infelizmente, também há muitas mulheres machistas”, conta a cantora. Já a jornalista ficou muito triste ao saber que mulheres concordavam com a frase. “O pior é saber que mulheres, acham certo serem estupradas só porque estão usando uma roupa mais chamativa. Gente, em que mundo nós estamos? Estupro é crime! Não podemos aceitar. Seria a mesma coisa que concordar com que um bandido possa matar a vitima quando não encontra nada com ela para roubar”, diz.
O ator global Cauã Reymond, 34, que está fazendo sucesso na pele de um ex-policial condenado por um crime que não cometeu na série “O caçador” não chegou a aderir à campanha oficialmente tirando fotos, mas confessa que queria ter participado. “Eu até cheguei a tirar uma foto segurando um cartaz escrito: ‘Nenhuma mulher merece ser estuprada’, mas não postei porque não ficou bacana. Depois outras coisas aconteceram e não consegui tirar outra”. A celebridade global ainda destaca que repudia qualquer tipo de violência contra a mulher. “Para mim, homem que estupra uma mulher, é doente. Tem que ficar recluso da sociedade, sem direito a nada. Agora o que me chama a atenção é que essa pesquisa não teve repercussão entre nossos políticos. Não vi nenhum deles falando sobre ela.”
Geisy Arruda, 24, empresária, atriz e modelo, se tornou conhecida nacionalmente depois de ser hostilizada na universidade em que estudava em São Paulo, por trajar vestidos curtos, considerados provocantes. Sobre a pesquisa feita pelo IPEA, ela é firme em sua opinião. “Não concordo com o resultado divulgado, nem com o antigo (65%) nem com o corrigido pelo IPEA (26%). Acho ridículo alguém querer colocar culpa nas roupas que as mulheres vestem afirmando que instigam o ato covarde do estupro”, diz Geisy, que chegou a tirar foto seminua aderindo à campanha na internet contra o estupro e para ela, homem que comete um crime desses merece a morte. “Sou a favor sim da pena de morte nesses casos. Uma punição dessas com certeza vai fazer o estuprador pensar 10 vezes antes de cometer o crime”. Finaliza
Valesca Popozuda,36, sem dúvida se tornou verdadeiro símbolo sexual para os homens de todo o país. A artista também aderiu à campanha contra o estupro nas redes sociais. “Participei da campanha, mas não posso discordar da opinião de ninguém e tenho que respeitar, mesmo não concordando. Mas eu particularmente não aceito o resultado dessa pesquisa. E sendo mulher, fiquei muito triste em saber que teve mulheres que concordaram com a pesquisa. Acho que todas deveriam se unir. Para mim, o homem que não consegue controlar seus instintos precisa de tratamento!” A cantora do famoso hit “Beijinho no Ombro” ainda manda um recado para as pessoas que concordaram com a pesquisa. “Em minha opinião, todos que culpam as mulheres são extremamente machistas ou ignorantes em relação ao assunto”.
A cantora Daniela Mercury, 49 e sua namorada a jornalista Malu Verçosa, 39, aderiram à campanha pelo Instagram . “Eu me inseri na campanha como uma forma de cutucar o pensar da mulher brasileira. Os mesmos motivos que levam as pessoas a serem homofóbicas são os que incentivam o desrespeito e o machismo. Infelizmente, também há muitas mulheres machistas”, conta a cantora. Já a jornalista ficou muito triste ao saber que mulheres concordavam com a frase. “O pior é saber que mulheres, acham certo serem estupradas só porque estão usando uma roupa mais chamativa. Gente, em que mundo nós estamos? Estupro é crime! Não podemos aceitar. Seria a mesma coisa que concordar com que um bandido possa matar a vitima quando não encontra nada com ela para roubar”, diz.
 

Mandado de Segurança coloca vereadores de Lagoa Santa sob suspeição

Por Elvis Pereira
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Em 15/04/2014 o Desembargador Geraldo Augusto do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, concedeu liminar ao Mandado de Segurança impetrado pelo Prefeito Dr. Fernando, contra ato praticado por Presidente da Câmara Municipal, contra o Presidente da Comissão Processante 002/2013 (Trata de: Denúncia de compra irregular de material de Escritório) e contra o Presidente da Comissão Processante 001/2014 (Trata de: denúncia contra o Prefeito por recebimento de salário em duplicidade) O Mandado de Segurança em questão, em resumo tem o seguinte teor: “Consiste na violação do direito de defesa e vício formal por afronta ao art. 48 da LOM.

Afirma que os vereadores exceptos membros das Comissões Processantes têm interesse político na cassação do seu mandato. Salienta que a fixação do prazo de 03 dias para a formulação de quesitos à prova pericial afronta os princípios de ampla defesa. Com tais razões justifica-se a necessidade/conveniência de ser DEFERIDA A LIMINAR para suspender temporariamente a tramitação do processo administrativo de cassação de mandato relativo às Comissões Processantes nº 002/2013 e 001/2014”.

Trocando em miúdos: Trata-se de concessão de medida liminar para suspender o andamento das Comissões Processantes que tramitam na Câmara Municipal, bem como a decretação de suspeição dos Vereadores Pedro Paulo de Abreu Júnior, Carlos Alberto Barbosa e Aline Aires de Souza e dá prazo de 10 dias para as suas justificativas.

Diante do reconhecimento da suspeição dos referidos vereadores, eles não poderão mais dar andamento as comissões processantes contra o Prefeito, como também não poderão votar sobre o tema, inclusive em matéria de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). No momento em que eles foram declarados suspeitos qualquer votação em matéria dessa natureza, a Câmara Municipal terá que dar posse aos suplentes: Geraldo Corrêa, Mauro da Lapinha e Carlos Alberto do Foro.

A suspeição ficou caracterizada, pois aceita liminarmente pelo Desembargador Geraldo Augusto porque os três vereadores em questão, membros daquela Comissão Processante nº 001/2013 contendo denúncia do Sr. Ricardo Viera sobre a locação de caminhões de lixo, que resultou na cassação do mandato do Prefeito ano passado, ignoraram as provas pericial, testemunhal e material.
Por outro lado, o Prefeito ajuizou ação de indenização por danos morais contra os três vereadores. Existe também uma Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público em que requer liminarmente o afastamento do mandato dos três vereadores do cargo por terem pago a Pericia por fora, bem como ignoraram todas as provas nos autos do Processo Político Administrativo de Cassação do Mandato, conforme texto da liminar que suspendeu a cassação alegando que os integrantes da CPI agiram de forma ilegal e abusiva.

Nota do JD – Jornal Diferente: A primeira Comissão Processante, nº 001/2013 formulada pelo Sr. Ricardo Vieira - ex-aliado político do prefeito virou CPI e acabou cassando seu mandato, mas teve sua validade anulada pelo TJMG, reconduzindo-o ao cargo, após comprovação pelo Pleno do TJMG de sua improcedência, abuso e ilegalidade. A segunda Comissão Processante nº 02/2013 (Probak Materiais de Escritório) e a Comissão Processante nº 001/2014 (Salário em duplicidade), formuladas também por ex-aliados políticos do Prefeito Dr. Fernando, pela ordem: Srs. Márcio Lara e Rui Alves, não observando dispositivos do Código de Processo Civil, ensejaram a liminar ao Mandado de Segurança, fato que gerou a suspeição dos vereadores em questão.

Leitor do JD- Jornal Diferente reclama de coleta de lixo no Bairro Jardim Imperial
Gostaria de manifestar através deste importante veiculo de comunicação  minha indignação com relação à coleta de lixo no Bairro Jardim Imperial. Nos dias de coleta, por vota das 05:30h da manha  a prefeitura coloca um funcionário retirando os sacos de lixo das lixeiras das residências e os colocam no canto da rua para facilitar seu serviço, mas acontece que o caminhão só passa depois  das 7:30h e como há vários cães abandonados em minha rua (que a prefeitura também não recolhe) eles acabam espalhando o lixo por toda parte. Certamente  se esses sacos de lixo não fossem retirados do seu local apropriado, antes do caminhão passar, não estaríamos tendo esse problema.



 


Página 1 de 20